Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Paraná não muda estratégia contra a Covid-19 após discurso de Bolsonaro - Rádio Alternativa 87,9 FM | A Onda da Sua Praia! | Guaratuba-Pr


No comando: Bonus

Das 00:00 às 01:00

No comando: Programação de Exemplo

Das 00:00 às 24:00

No comando: Sertãoneja

Das 05:00 às 06:30

No comando: Paixão Sertaneja

Das 06:30 às 08:00

No comando: Alternativa Comunidade

Das 08:00 às 12:00

No comando: Arquivo X

Das 12:00 às 13:00

No comando: As 7 Hits

Das 13:00 às 13:30

No comando: Vitamina

Das 13:00 às 15:00

No comando: PeãoNeja

Das 13:30 às 15:00

No comando: Zona Livre

Das 15:00 às 16:40

No comando: As Mais Mais

Das 16:30 às 17:30

No comando: A Voz da Pároquia

Das 17:30 às 18:00

No comando: No Lance do Jogo

Das 18:00 às 19:00

No comando: A Voz do Brasil

Das 19:00 às 19:59

No comando: Programação Alternativa

Das 20:00 às 22:00

No comando: Hits da Noite

Das 22:00 às 00:00

Paraná não muda estratégia contra a Covid-19 após discurso de Bolsonaro

“Continuamos com o nosso planejamento”. Foi assim que o governo do Paraná reagiu ao pronunciamento da noite de terça-feira (24) do presidente jair Bolsonaro, que criticou as medidas de isolamento social ,o fechamento do comércio e a suspensão das aulas impostas por estados e municípios.

Um dos principais aliados da Presidência da República entre os governadores, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) evitou comentar o discurso de Bolsonaro, assim como seus secretários, mas, através da assessoria de imprensa, comunicou que o Paraná não irá alterar a estratégia de combate à pandemia, mantendo o estado em situação de emergência e garantindo o funcionamento, apenas, dos serviços essenciais, com shoppings e escolas fechados e a realização de eventos proibida, por exemplo. O prefeito de Curitiba, Rafael Greca ( DEM) , també afirmou que manterá as medidas de isolamento.

Os secretários estaduais de saúde emitiram uma nota conjunta, dizendo-se estarrecidos com o pronunciamento de Bolsonaro. “Não podemos permitir o dissenso e a dubiedade de condução do enfrentamento à Covid-19. Assim, é preciso que seja reparado o que nos parece ser um grave erro do Presidente da República”, diz a carta.

“Ao invés de desfazer todo o esforço e sacrifício que temos feito junto com o povo brasileiro, negando todas as recomendações tecnicamente embasadas e defendidas, inclusive, pelo seu Ministério da Saúde, deveríamos ver o Presidente da República liderando a luta, contribuindo para este esforço e conduzindo a nação para onde se espera de seu principal governante: um lugar seguro para se viver, com saúde e bem estar”, acrescentam os secretários, que dizem não ter qualquer intenção de politizar o problema.

 

Deixe seu comentário: